<BODY> ~*~* Meu Bebê Dudu *~*~


Dudu




Meu filhinho Eduardo nasceu no dia 17 de setembro de 2005, às 1h 40, em Brasília/DF, pesando 3,915kg e medindo 51 cm, um garotão com certeza! Hoje ele está às vésperas de completar 2 anos. É um menino muito ativo, carinhoso e inteligente. Uma maravilha!


1º Blog – Gravidez
2º Blog – Parto
3º Blog – Vida de Bebê
4º Blog – Até 1 Ano



Mamãe




Meu nome é Catarina e sou autora desde blog que começou em 29/5/2005. Aqui estão registradas as experiências de uma mãe de primeira viagem muito feliz desde a descoberta da gravidez em 9/1/2005. Na época eu tinha 28 anos e 6 anos de casada com o Rubens, pai do Dudu. Deixo aqui nossos momentos de alegria, ansiedade, paz e luta para eternizá-los na memória dos que lerem este blog.



Papai




Este é o pai do Dudu e meu marido com quem sou casada desde maio/1999. Ele é um pai muito carinhoso e presente.



Irmão Guilherme




:: Blog do Guilherme



Na Barriga




A gravidez do Dudu foi o período mais feliz e pleno de toda a minha vida. A felicidade em estar grávida era tanta que todos os desconfortos foram recebidos com alegria. Fiquei grávida por 40 semanas e 3 dias, engordei 17 kg e aprendi bastante sobre gravidez e parto. Tivemos uma doula que nos ajudou muito antes, no dia do parto e depois dele, a querida Clarissa Kahn.



Parto




Senti as primeiras contrações às 10h 30 do dia 16/9 no trabalho, onde fiquei até às 17h. Minha intenção era ficar o maior tempo possível em casa evitando assim intervenções desnecessárias e assegurando a chance de ter um parto normal. Desde que engravidei meu sonho era trazer o Dudu ao mundo da forma mais natural possível. Assim, naquele dia senti a dor mais maravilhosa que existe e num turbilhão de emoções o Dudu nasceu após 6 horas de trabalho de parto ativo. Como foi fantástico sentí-lo sair de mim! Depois desse dia tive certeza que eu era capaz de tudo na vida e me sentia uma vencedora de maratona. Obrigada, Dudu, por ajudar a mamãe nesta hora tão crítica.



Amigos


:: Adri, Sofya e Emanuelle
:: Ageu e Matheus
:: Alê e Pedro Luís
:: Aline e Júlia
:: Aline e Bárbara
:: Aline e Ric
:: Alyne e Matheus
:: Ana e Lorenzo
:: Andreza e Teru
:: Ângela e Matheus
:: Bia e Lucas
:: Bia, Lucas e Thiago
:: Bia, Yohana e Yan
:: Bina e Brenda
:: Carla e Marina
:: Cris e Ícaro
:: Cris e Lucas
:: Cristina e Sarah
:: Cristina, Ingrid e Anne
:: Chrystina, Bruno e JP
:: Dani e Caio
:: Dedéia, Pedro e Júlia
:: Eva e Lucas
:: Fabi e Catarina
:: Jack, Ruan e Paulo Victor
:: Jane e Maria Júlia
:: Kátia Regina e Ana Luísa
:: Keila, Lucas e Gabriel
:: Keity e Lucas
:: Lílian e Nicolas
:: Lisa e Eduardo
:: Lívia e Miguel
:: Lu, Guilherme e Gustavo
:: Mary e Camila
:: Nádila e André
:: Noelma, Pedro e Ana
:: Paty e Gigio
:: Pri, João e Maria
:: Ranne e Maurinho
:: Renata, Isabella e Eric
:: Ruth e Davi
:: Roseli e Breno
:: Ryvane e Ana Clara
:: Selma, Alex e Natália
:: Simoni e Henrique
:: Tábata, Gab e Gui
:: Taci e Danilo
:: Telma e David
:: Valéria e Júlia
:: Valéria e Tikinha
:: Vanessa, Davi e Pedro
:: Ví e Amélie (senha)
:: Vi, Thiago e Júlia
:: Rosileide e Ana Beatriz
:: Bia e Biel
:: Camila e Helena
:: Kelly e Eduardo
:: Fran e Madu
:: Fê Biel e Gui
:: Flávia, Giovanna e Miguel
:: Roberta, Lucas e Diego
:: Mara e Bia
:: Lígia e Vivi
:: Lea e Davi
:: Fabi, Babi e Bia
:: Débora e Dudu
:: Fê e Amandinha
:: Vivi e Francisco
:: Márcia e Mel
:: Simoni e ?
:: Thaty e Alice



Visitas




Mural





Hoje é...






Música





Link-nos


Pegue nosso selinho





Pegue nosso selinho





Pegue nosso award







Passado


Blog Antigo

Arquivos:
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Outubro 2009
Março 2010
Maio 2010



Parceria



Blog Brasil Acadêmico


Créditos



Conceitos Design

eXTReMe Tracker





terça-feira, 9 de outubro de 2007

Lilypie 3rd Birthday Ticker



Sábado, dia de shopping
*
Diálogo:
- Quéo emédio! ( - Quero remédio, diz o Dudu)
- Dudu, vc não vai tomar mais remédios (bolinhas de açúcar homeopáticas).
- Vou sim sinhô! (ele responde)
*
Rs... Ele está imitando o Rubens que diz esses “sim senhor” e “não senhor”. É engraçadinho hoje, mas isso é um desafio à nossa autoridade. Ontem, vi uma marca de dedos na perna do Dudu e perguntei ao Rubens o que era? Ele disse que havia dado umas palmadas no Dudu por uma aprontação. Eu estava dando banho no Guilherme e não vi o que aconteceu. Quando vi a marca, não gostei nada, pensei como meu marido era nervoso, não tinha paciência com o menino, era ignorante e milhares de outros adjetivos. Tudo isso matutei calada. Aí, pensei por outro lado, mesmo não gostando do castigo físico, preciso deixar o Rubens disciplinar o Dudu à sua maneira. Para mim, mulher, mãe, pode até parecer cruel, mas acho que os homens, o filho homem, só entende essa linguagem. Meus colegas de trabalho que têm filhos homens com idades entre 7 e 16 anos são unânimes ao dizer que a educação dos meninos tem que ser diferente da das meninas, sendo que as palmadas para os garotos são indispensáveis. Acho que há exceções, mas meus meninos não parecem estar nelas, rs...
*
Ontem coloquei o Dudu de castigo por fazer bagunça com a comida durante o jantar. Ele derramou comida dentro do copo de suco e já se preparava para “tacar” comida em cima da mesa. Ai que raiva! Peguei o traquina e o coloquei no castigo.
Daqui a pouco ele começou a falar sozinho:
- Não pode bagunça! Mamãe “biga”, papai “biga”, “Júio biga”, caminhão-cegonha “biga”, “caminhão-baculante biga”...
*
Rs... Não agüentei, tive que correr para a cozinha para rir da doidice do menino. A babá colocou a mão na boca para não soltar a gargalhada. A bicicleta do cocoricó tem a cara do Júlio bem na frente e estava perto do local do castigo. Acho que o Dudu ficou olhando a cara do Júlio e dizendo suas maluquices, rs...
*
Tem horas em que sinto toda a felicidade de ser mãe, em geral quando o Dudu está tranqüilo (relativamente), me escuta, conversa direitinho e outras atitudes calmas. Nestes momentos tudo são flores.
Tem outras horas....rs... Que me questiono se tenho algum problema, fico convencida que tenho problema.Como uma mãe pode ficar tão nervosa com seus filhos?
*
Sábado, dia de shopping.
No sábado, dia de folga da babá, levantei-me às 6h40min, a contragosto, lógico... tenho um humor péssimo de manhã cedo... juro que tento, mas para mim não dá...nem consigo usar as palavras de tanto sono que sinto... Só resmungo umas “palavras” indescritíveis, rs...
*
Eu e Rubens começamos o batente. Tivemos que agir rápido, pois as horas passavam depressa e o sol já castigava com o calor. Mamadeira para o Guilherme, mamadeira para o Dudu, troquei as fraldas dos dois, lavei seus rostos escovei os dentes, passei filtro solar, mudei suas roupas e penteei os cabelos para irmos ao parque. Enquanto isso, água no fogo para o café, picar frutas (demora, pois são uns 3 ou 4 tipos), pão na sanduicheira, suco de laranja-lima do Guilherme para levar ao parque e garrafinhas de água prontas.
*
Guilherme fez cocô e o troquei. Parecia aquela propaganda da Credicard onde os pais chegam com seus 3 filhos da escola e os arrumam para dormir.
*
A maratona para ir ao parque continuava. Enquanto me arrumava, o Rubens olha os meninos, depois seria a vez dele. Dudu queria fazer cocô. – Rubens, o Dudu quer fazer cocô! Meu marido saiu rápido do banheiro (minha casa só tem um banheiro, imaginem o caos...rs...). Colocamos o Dudu no vaso e o menino ficou até concluir a obra. Depois de trocado estávamos quase prontos para ir ao parque. Vi as horas: 8h50min. – Já? O calor estava insuportável. Corri para pegar os brinquedos de levar ao parque: caminhão, pá e carrinhos numa sacola grande. Enfim, peguei o carrinho de passeio do Dudu, ele se sentou e apertou o cinto. Coloquei o Guilherme no carrinho de bebê e parecia que conseguiríamos sair... abri a porta e lembrei-me que não havia pego o celular e nem trocado o chinelo. Corri para conseguir sair antes das 9h. Fechei a porta e olhei no relógio 9h5min. Agora sim, rumamos para o parque que fica a mais ou menos 500m do meu bloco. Beleza, enfim chegamos!
*
Bateu o cansaço, certo torpor, mas em pouco tempo me animei e brinquei com os meninos. Eu ficava com um, o Rubens ficava com o outro, depois trocávamos, rs... Às 10h40min mais ou menos, arrumamos os meninos e os brinquedos e voltamos para casa para dar o almoço às crianças.
*
O calor era forte e assim que chegamos, os dois “macaquinhos” entraram no chuveiro simultaneamente, rs... Imaginem a farra! Coloquei os dois, juntos, debaixo do chuveiro, lavei um, entreguei para o Rubens e depois o outro. - Rapidinho! Já ouvia choramingos de fome. Levamos os meninos para a sala, enquanto preparava e esquentava os pratos com a comida já pronta do dia anterior, meu marido ligava o DVD para entreter os meninos.
*
Guilherme chorava impaciente e Dudu corria pela sala. – Rubens, a comida do Dudu está na mesa. Ah, o Dudu só quer se sentar à mesa, a cadeira de refeições passou para o Guilherme definitivamente. Enquanto dava o almoço do Guilherme, o Rubens tentava ajudar o Dudu que resmungava não querer comer. Dudu derramava comida no chão, dizia que queria azeitona, colocava pra fora a comida que o pai colocara em sua boca, pedia fruta. O Rubens deu melancia e depois tentou continuar com a comida. Dudu comeu um pouco, enquanto isso o Guilherme comera toda a sua comida e já se preparava para a fruta.
*
Levei o Guilherme para lavar mãos, boca e escovar os dentes, enquanto escutava o Rubens brigando com o Dudu. Rs... A paciência já nos abandonara a essa altura... Rubens diz que vai escovar os dentes do Dudu, mas o menino não quer, reclama, chora e briga. O pai mandou que se acalmasse e disse que escovar os dentes não teria acordo. Aí o Dudu berrou. O Rubens o ameaçou com castigo e o menino se aquietou.
*
Dudu no banheiro. Escova os dentes, destrói o sabonete, derruba tudo que fica em cima da pia, chora e grita. Escutei o pai brigando com o menino. Dudu morto de sono disse que não queria dormir, choramingou, pedindo brincar. Rubens o levou para dormir depois de convencê-lo de alguma forma.
*
Enquanto isso, brincava com o Guilherme, com o estômago vazio, roncando de fome e muita vontade de ir ao banheiro – tinha que esperar, vi o Rubens sair com Dudu no carrinho, abraçado no edredom (péssimo hábito de dormir só se for empurrado no carrinho no corredor fora do ap). Será que o menino dormiria? Cruzei os dedos...rs...
*
O Guilherme fez cocô e fui trocá-lo, o bebê parecia com sono e o deixei no berço com sua fralda. Em pouco tempo o Guilherme dormiu! Pensei: - Beleza, vou almoçar. Quando voltei à sala, o Dudu estava em pé no sofá olhando os carros pela janela. Tive raiva do meu marido: - Que incompetência! Nem consegue fazer o menino dormir! Senti saudades da babá... Pelo menos já estávamos na metade do dia, rs...
*
Eu e Rubens fomos almoçar enquanto o Dudu brincava na sala e chorava quando não conseguia encaixar a caçamba do caminhão. O menino estava morto de sono, mas não se rendia, aí ficava nervoso nas brincadeiras. Começava a pedir a comida que estava no nosso prato, corria pra um lado, voltava, pedia água e assim tentávamos almoçar. Se fiquei calma? Claro que não, fiquei irritada. Nervosa por causa da fome, culpando meu marido por não ter feito o Dudu dormir, com sono e antecipando a tarde de travessuras que teríamos pela frente, rs...
*
Almoçamos correndo. Dudu continua pilhado, choramingando, mas firme sem querer dormir. Aí o Guilherme acorda, todo feliz, pronto para as atividades vespertinas. Já eu e o Rubens, com uns cento e trinta anos de idade, desejando mais que tudo um cochilo, rs... - Nem pensem nisso! Dizem Dudu e Guilherme com suas carinhas angelicais, rs... Então só nos resta a over-dose de café para os neurônios continuarem funcionando. Dudu apronta alguma com sua garrafa de água que escapou de nosso controle. O menino a espreme no sofá fazendo a maior bagunça. Leva uma bronca do pai e chora (ele só chora quando está com sono).
*
O pai o coloca no carrinho para tentar novamente fazê-lo dormir. Fico andando com o Guilherme pela sala, praticamente ausente do meu corpo, fazendo um esforço tremendo para não cair no chão e dormir “o sono dos indigentes”. Penso no quanto sou molengona e por que sinto tanto cansaço. Preciso ser diferente, ter ânimo para brincar e inventar atividades para o Guilherme. Tento conversar com o bebê, falar os nomes, as cores e formas dos brinquedos que ele pega, mas tá difícil me concentrar, pois o café ainda não fez efeito, rs... Para completar, o Guilherme não aceita parar de andar um segundo e tenho medo dele cair.
*
Aí, entra o Rubens com o Dudu adormecido. Maravilha! O Dudu descansará e ficará mais calmo. Parece que o café começa a fazer efeito no Rubens e surge a brilhante idéia: - Quando o Dudu acordar, vamos ao shopping? Penso como seria lindo, nós quatro, a família feliz passeando no shopping, com os meninos saltitando de alegria, nos olhando com olhar de agradecimento e nós maravilhados como era bom passear com os filhos. Contudo, uma vozinha dentro de mim dizia: - Vc vai se arrepender (ao som de gargalhada tenebrosa ao fundo). Não acreditei na voz.
*
Já que vamos ao shopping, que comecem os preparativos. Coloca a comida do Guilherme no pote, depois a do Dudu, separa a mamadeira de água, a garrafinha de água, os talheres, os remédios homeopáticos e a bolsa térmica.
*
Enquanto isso o Guilherme toma sua mamadeira que preparei na correria, pois o Dudu acabara de acordar.
Próximo passo a bolsa de roupas. Muda de roupa para o Guilherme, outra para o Dudu, 4 fraldas para cada, lenços umedecidos, 4 fraldas de pano, 2 babadores e documentos dos dois.
*
São quase 16h e o Dudu precisa lanchar. Começa o suplício... – Dudu, vc quer pão? – Não! – Quer melancia? – Não! Milho? Qué! Para comer milho, coloco o babador e por cima uma fralda de pano amarrada no pescoço. Simplesmente o menino se lambuza todo! O banho é a conseqüência imediata para lavar o creme de milho no cabelo, rosto braços e pernas. Fora o chão que tive que limpar às pressas caso contrário o Guilherme e o Dudu ciscariam feito galináceos. Corre para o banheiro.
*
Banho nos meninos, creme, fralda, roupa, perfume, tudo em tempo recorde, na melhor das hipóteses quando se tenta arrumar um “furacão”. Vcs acham que ele fica parado para ser trocado? Rs...
*
Bom, meninos e tralhas arrumadas, ops, faltou a cadeirinha portátil para colocar o Guilherme para comer. Pai e mãe precisam tomar banho, pois a “academia irmãos limitada” começou cedo. Enquanto um se arruma o outro olha as crianças “quietinhas” tocando fogo no apartamento. O Dudu de alguma forma se suja depois de comer melancia, rs... Corre para lavar o Dudu, escovar seus dentes (o menino resmunga por não querer e leva uma bronca) e trocar a blusa.
*
Meu banho é correndo, passo um reboco básico nas olheiras e um batom. Qualquer roupa que disfarce a “cintura de ovo” e não esteja manchada de baba, leite ou fruta. Rs...
Enfim, conseguimos entrar no carro rumo ao shopping: tempo de arrumação 2h 45min. Rs... Já estou cansada, suada e pensando em desistir do tal passeio.
*
Como demoramos muito a sair, já era hora do jantar do Guilherme e fomos direto à lanchonete. Coloquei a cadeirinha portátil na mesa (duvidei um pouco da estabilidade), o Dudu do meu lado e o Rubens rumou com o pratinho do Guilherme para esquentar no fraldário. E o Rubens demorou... O Dudu já enchia a paciência dizendo: - Quéo batata! Quéo batata! E inutilmente eu tentei chamar a atenção do menino para outras coisas. Nisso, o menino que estava na mesa ao lado, começou a dar batata ao Dudu. Parecia que estava alimentando um cachorrinho, rs... Não achei bom e falei não para o Dudu, mas foi o único jeito dele ficar quieto esperando o pai.
*
O Rubens chegou soltando marimbondos pelas orelhas reclamando que havia errado o lugar do fraldário, descido no andar errado e blá, blá, blá... Aí, comecei a dar a comida ao Guilherme enquanto o Rubens comprava o lanche. Neste momento o Dudu começou a pedir batata de novo. Afe! Eu já estava pra lá de nervosa, o Guilherme enfiando as mãos no prato, eu tentando segurar suas mãos e conversando com Dudu que queria correr pela lanchonete... Arrh!!!
*
Pelo menos o Rubens não demorou, mas assim que colocou as bandejas em cima da mesa, o Dudu quase virou o copo de refri no chão, o canudo caiu, enquanto isso o Guilherme tentava puxar o papel da bandeja ou alcançar qualquer coisa como copo e canudo. Caracas! Os meninos pareciam dois polvos cafeínados e eu e o Rubens tentando dar comida a eles sem deixar que virassem nosso lanche no chão. Foi estressante! Tão estressante que comecei a rir. Deu vontade de deixá-los “tocando o terror” e fingir que não os conhecia, rs...
*
Pensei com pesar: - Será que toda criança é assim? Será que eles são normais? O que eu fiz de errado? Por que não tenho paciência? Que péssima idéia sair com eles! Que saudade da babá! Detesto sábado! Calma, são 19h, falta pouco para dormirem. Fazemos tantas coisas que parece que o sábado tem 36 horas! Rs...
Olhei para os dois lados, vi aquela confusão sem fim, mas não podia fugir, por mais que eu quisesse, rs...
*
Contando agora até parece engraçado, mas foi “hard”, rs...
Devo ser uma mãe meia-boca mesmo. Deixarei isso escrito para rir muito no futuro.
*
Continuando. O Guilherme havia acabado de comer sua comida enquanto o Rubens desistia de dar a comida do Dudu. Dudu dizia que não queria a comida, que queria refri, tentava ficar em pé na cadeira, o Rubens brigava, o Guilherme ainda tentava alcançar o copo, jogava a fralda de pano no chão, “comia” o chapéu de papelão dado na lanchonete, o Rubens tentava comer seu sanduíche ao mesmo tempo que segurava o copo de refri do Dudu e tentava fazer com que ele pelo menos comesse a batata.
*
Cruzes! Que cena grotesca! Os polvos estavam alucinados para jogar tudo no chão. Dudu queria descer da cadeira e correr. Ele se sujou todo com refri e o Rubens já possesso, aumentava o tom de voz sem perceber. Foi trash! Me arrependi amargamente de ter saído. Quando penso que poderei comer meu sanduíche, o Guilherme começa a se espremer. Cocô à vista! Ninguém merece. Engoli meu sanduba e rumei para o fraldário. Enquanto isso, o Rubens quase esganando o Dudu que reclamava há muito, o levou para lavar as mãos na lanchonete mesmo. Só ouço o berro do Dudu, o menino tem medo daqueles secadores de mão que ficam nos shoppings.
*
Eu e o Ru estávamos cansados, suados e nervosos com os polvos. Nos olhamos e decidimos ir embora. Quando chegamos em casa os meninos dormiam no banco de trás como dois seres angelicais. Tão lindos!
*
Eu e o Rubens descemos do carro, nos abraçamos e eu disse a ele: - Ru, eu não gosto. Não gosto de mim por não gostar de sair com os meninos. Tenho certeza que tenho algum problema, acho que não estou dando conta.
Ele me disse que devia ser assim mesmo. Levamos os dois anjinhos e todas as tralhas para casa e vivemos felizes e cansados para sempre. Rs...
*
Beijos a todas.



Às 14:11

4 Aqui também pode!

4 Comentários:

amiga to chorando de tanto rir li isso tudo pra minha mae estamos chorando as duas de rir mas concordamos que vida de mae nao e facil minha mae diz que e so eu esperar a natalia crescer que passarei pela mesma historia que a sua , veremos rsrsr

By Blogger selma, at 10 de outubro de 2007 10:09  

Muito 10 esse seu post! É a vida e vc é normal sim, eu tb perco o controle, meninos são demais!!!Aff...
Bjão***

By Anonymous Andreza & teru, at 11 de outubro de 2007 00:38  

Criar um filhote já tem suas dificuldades,imagina 2! Olha amiga, vc é uma super mãe! Quem não se estressa, é complicado mesmo fazer esses passeios, principalmente quando todos estão agitados e os pais cansados. Nada funciona mesmo! Fico aqui torcendo para que os próximos passeios sejam mais tranquilos, ou no mais torço para que toda a paciência do mundo esteja com vcs! E claro a "Força" tbm! rs*
Desejo que tenham um dia das crianças muito feliz e cheio de amor!
Beijo grande pra todos vcs!

By Anonymous Katia Regina, at 11 de outubro de 2007 15:25  

putz, fiquei cansada so de ler. uma maiga minha que tem dois filhos diz que quase ri das mães que se dizem cansada com um só.
tb acho que meninos têm uma enregia diferente de menina. eles tem uma relação muito mais corporal com o ambiente, dificilmente consgeuem ficar parados muito tempo. mas isso eh um consolo que mostra como eles são saudaveis, rs
bjs
fabi

By Blogger Fabi Cimieri, at 15 de outubro de 2007 07:47  

Post a Comment