<BODY> ~*~* Meu Bebê Dudu *~*~


Dudu




Meu filhinho Eduardo nasceu no dia 17 de setembro de 2005, às 1h 40, em Brasília/DF, pesando 3,915kg e medindo 51 cm, um garotão com certeza! Hoje ele está às vésperas de completar 2 anos. É um menino muito ativo, carinhoso e inteligente. Uma maravilha!


1º Blog – Gravidez
2º Blog – Parto
3º Blog – Vida de Bebê
4º Blog – Até 1 Ano



Mamãe




Meu nome é Catarina e sou autora desde blog que começou em 29/5/2005. Aqui estão registradas as experiências de uma mãe de primeira viagem muito feliz desde a descoberta da gravidez em 9/1/2005. Na época eu tinha 28 anos e 6 anos de casada com o Rubens, pai do Dudu. Deixo aqui nossos momentos de alegria, ansiedade, paz e luta para eternizá-los na memória dos que lerem este blog.



Papai




Este é o pai do Dudu e meu marido com quem sou casada desde maio/1999. Ele é um pai muito carinhoso e presente.



Irmão Guilherme




:: Blog do Guilherme



Na Barriga




A gravidez do Dudu foi o período mais feliz e pleno de toda a minha vida. A felicidade em estar grávida era tanta que todos os desconfortos foram recebidos com alegria. Fiquei grávida por 40 semanas e 3 dias, engordei 17 kg e aprendi bastante sobre gravidez e parto. Tivemos uma doula que nos ajudou muito antes, no dia do parto e depois dele, a querida Clarissa Kahn.



Parto




Senti as primeiras contrações às 10h 30 do dia 16/9 no trabalho, onde fiquei até às 17h. Minha intenção era ficar o maior tempo possível em casa evitando assim intervenções desnecessárias e assegurando a chance de ter um parto normal. Desde que engravidei meu sonho era trazer o Dudu ao mundo da forma mais natural possível. Assim, naquele dia senti a dor mais maravilhosa que existe e num turbilhão de emoções o Dudu nasceu após 6 horas de trabalho de parto ativo. Como foi fantástico sentí-lo sair de mim! Depois desse dia tive certeza que eu era capaz de tudo na vida e me sentia uma vencedora de maratona. Obrigada, Dudu, por ajudar a mamãe nesta hora tão crítica.



Amigos


:: Adri, Sofya e Emanuelle
:: Ageu e Matheus
:: Alê e Pedro Luís
:: Aline e Júlia
:: Aline e Bárbara
:: Aline e Ric
:: Alyne e Matheus
:: Ana e Lorenzo
:: Andreza e Teru
:: Ângela e Matheus
:: Bia e Lucas
:: Bia, Lucas e Thiago
:: Bia, Yohana e Yan
:: Bina e Brenda
:: Carla e Marina
:: Cris e Ícaro
:: Cris e Lucas
:: Cristina e Sarah
:: Cristina, Ingrid e Anne
:: Chrystina, Bruno e JP
:: Dani e Caio
:: Dedéia, Pedro e Júlia
:: Eva e Lucas
:: Fabi e Catarina
:: Jack, Ruan e Paulo Victor
:: Jane e Maria Júlia
:: Kátia Regina e Ana Luísa
:: Keila, Lucas e Gabriel
:: Keity e Lucas
:: Lílian e Nicolas
:: Lisa e Eduardo
:: Lívia e Miguel
:: Lu, Guilherme e Gustavo
:: Mary e Camila
:: Nádila e André
:: Noelma, Pedro e Ana
:: Paty e Gigio
:: Pri, João e Maria
:: Ranne e Maurinho
:: Renata, Isabella e Eric
:: Ruth e Davi
:: Roseli e Breno
:: Ryvane e Ana Clara
:: Selma, Alex e Natália
:: Simoni e Henrique
:: Tábata, Gab e Gui
:: Taci e Danilo
:: Telma e David
:: Valéria e Júlia
:: Valéria e Tikinha
:: Vanessa, Davi e Pedro
:: Ví e Amélie (senha)
:: Vi, Thiago e Júlia
:: Rosileide e Ana Beatriz
:: Bia e Biel
:: Camila e Helena
:: Kelly e Eduardo
:: Fran e Madu
:: Fê Biel e Gui
:: Flávia, Giovanna e Miguel
:: Roberta, Lucas e Diego
:: Mara e Bia
:: Lígia e Vivi
:: Lea e Davi
:: Fabi, Babi e Bia
:: Débora e Dudu
:: Fê e Amandinha
:: Vivi e Francisco
:: Márcia e Mel
:: Simoni e ?
:: Thaty e Alice



Visitas




Mural





Hoje é...






Música





Link-nos


Pegue nosso selinho





Pegue nosso selinho





Pegue nosso award







Passado


Blog Antigo

Arquivos:
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Outubro 2009
Março 2010
Maio 2010



Parceria



Blog Brasil Acadêmico


Créditos



Conceitos Design

eXTReMe Tracker





quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Lilypie 3rd Birthday Ticker



Quilos de notícias

Desculpem-me o sumiço, mas estou numa correria louca no trabalho e em casa. Até hoje eu estava sem empregada, a Hebe foi mandada embora em 8 dias. Dessa vez a culpa não foi minha, meu marido se estressou com a mulher e a dispensou... uma história que contarei depois.
Passamos o feriado em Pirenópolis e tenho algumas impressões para relatar sobre viagem com crianças pequenas, rs...
Por estar em jornada dupla, trabalho e tarefas domésticas, pouco tempo me sobrava para vir contar as coisas. Não que elas deixaram de acontecer, mas não consegui vir conta-las.

Cheguei em casa na sexta-feira retrasada e senti logo um clima estranho. Meu marido estava em casa, minha sogra e a babá andavam de um lado para outro feito baratas tontas e os meninos, pra variar, tocavam o maior terror, rs... Peguei o Guilherme no colo e rumei para o escritório procurando meu marido quando escuto uma ordem: Leva o Guilherme daqui que preciso conversr com a Dona “Hebe”. Gelei na hora por pensar que ela poderia ter estragado o mais novo brinquedinho do meu marido: seu computador de maçã. Nisso, Dudu corria pela casa e as baratas também, rs... – Dona Hebe, venha cá! Este escritório está imundo! O chão da casa está sujo e a caixa de areia do gato está fedendo há 4 dias! A senhora não a limpou por que? Isso é uma absurdo e blá, blá, blá...

Nesta hora eu já estava no meu quarto com o Guilherme tentando trocar de roupa. Na minha cola, estava a babá, com os olhos arregalados, morrendo de medo do Rubens que brigava com a D. Hebe. Fiquei com vontade de rir, a babá queria se esconder atrás de mim de tanto terror. Ela morre de medo do Rubens, rs... Quando o homem fica bravo, a bichinha falta pular pela janela de medo.

Do meu quarto ouço a voz do Rubens aumentando: - Dona “Hebe” estou falando com a senhora, não vire as costas para mim! Me respeite! E blá, blá, blá... Olhei para a babá e esperei que entrasse em colapso, pois seus olhos já não tinham como arregalar mais... Confesso que foi engraçado... Aí, é que ela não desgrudou de mim, rs...

Em poucos minutos o Rubens veio até mim furioso, dizendo ter dispensado a D. “Hebe”. Eu concordei que não tinha desculpa para a casa estar tão suja e desarrumada. Moro num ap pequeno, com um banheiro somente, piso em cerâmica, sem tapetes ou cortinas e quase nada de móveis. Realmente, a folgada não fazia nada o dia todo. Adivinhem de onde ela era? Do Piauí. Tenho um azar danado com empregadas do PI.

O problema dela era a insubordinação, por ser mais velha, achava que só devia fazer o que lhe conviesse e não acatava nossas ordens, fora a preguiça e a falta de iniciativa total e completa. No dia anterior, ela não fizera nada de legumes para o jantar dos meninos mesmo a geladeira estando cheia. Cheguei em casa e me estressei quando soube que os meninos jantaram somente arroz, feijão e frango, pois a preguiçosa da D. Hebe não fizera nenhum vegetal. Havia brócolis, baroa, quiabo, vagem, milho e outros entopindo a geladeira. Peste! Mesmo os meninos não comendo alguns vegetais, sempre os ofereço. Em toda refeição, coloco no prato deles pelo menos 2 tipos de vegetais refogados e mais a salada crua. A babá pediu que a infeliz cozinhasse e a topeira deu uma de “joão-sem-braço” e não fez nada. Que raiva! Reclamei com ela, mas parecia que não escutava. Assim, meu marido deu um jeito de acabar com essa história que não daria certo mesmo. Desde o começo, minha intuição dizia que ela era muito cheia de desculpas para tudo e não daria certo. Assim, resolvi só procurar outra empregada depois do feriado, já que ficaríamos fora de Brasília por 4 dias.

Viagem à Pirenópolis. Foi 40% divertido e 60% “Hard”. Os meninos adoraram a piscina da pousada e a água da cachoeira. Meus macaquinhos são loucos por água independente da temperatura. Até o Guilherme entrou sem medo na água “congelada” da cachoeira, todo maluquinho, se eu deixasse o menino se afogava de tanta vontade de “nadar”. Na banheira, o bebê enfia a cabeça na água como se mergulhando igualzinho ao Dudu na mesma idade. O Dudu aprendeu a saltar na piscina imitando um menino mais velho com ajuda do Rubens. A piscina era tudo de bom! Não gostei muito da cachoeira, pois havia muitos insetos e a toda hora eplastávamos os meninos com repelente. Ah, a hora de dormir foi bem tranqüila, mais até do que eu imaginava.

Por ser um local muito “natural”, passávamos repelente nos meninos o tempo todo. Isso ajudou muito, pois não foram picados por insetos e não tiveram alergia. Eu é que estava um pouco “baqueada” por conta de uma gripe que começou na noite anterior à viagem.

Normalmente, planejamos todos os detalhes de nossas viagens, listamos tudo, pensamos e repensamos cada item. Contudo, dessa vez, não deu tempo de deixarmos nosso “espírito sistemático” fluir, pois sem empregada, o dia a dia já era trabalhoso demais para eu me preocupar com a viagem. Decidimos viajar mesmo na quarta-feira à noite e arrumamos as malas na quinta-feira pela manhã.

Aconteceu um fato que me deixou muito chateada comigo mesma. Na quarta-feira à noite, enquanto eu e a babá corríamos de um lado para outro tentando separar as coisas dos meninos para a viagem, o Dudu, com toda força, deu uma de “Zidane” na cabeça do Guilherme. O Guilherme caiu de barriga pra cima no chão, batendo a cabeça no piso. Fiquei fora de mim, eu estava nervosa arrumando as coisas, gripada, tentando controlar a bagunça dos meninos e ao mesmo tempo arrumar as malas. Lasquei um tapa no braço do Dudu. Foi por impulso e no calor da raiva, mas me arrependi muito. Não quero que o Dudu tenha medo de mim e sempre pensei em não discipliná-lo com base em castigos físicos. Depois da confusão, coloquei o Guilherme para dormir e fui que nem um cachorro arrependido pedir desculpas para o Dudu. – Dudu, desculpa a mamãe por ter batido no seu braço? Eu não gosto de bater em vc e fiquei triste comigo mesma por ter feito isso. O menino disse: - Dicupo mamãe! E me abraçou. Eu falei pra ele que ele tinha um coração bom e sabia perdoar as pessoas. Eu gostaria que os meninos tivessem facilidade em perdoar, pois é ruim não conseguir perdoar. Eu não sou do tipo de pessoa que perdoa fácil e sofro com isso e disso. Até tento, mas tenho muita dificuldade. Será que tem um jeito de ensinar os filhos a perdoarem?

Fomos à Pirenópolis, com o carro repleto de malas e badulaques dos meninos. Digo isso, pois nossas coisas ficam muito restritas quando temos crianças. Levei 3 mudas de roupas para mim e 3 para meu marido. Já para eles...umas 8 mudas para cada, fora os panos, mamadeiras, brinquedos, etc...
No geral o passeio foi bom, mas tivemos horas críticas como a hora das refeições nos restaurantes. Realmente, meus meninos não estão prontos para “comer em sociedade”. Que tormento esses dois macaquinhos nos restaurantes! Como senti falta do DVD para entretê-los! Eu que abominava a idéia de criar meus filhos assistindo TV na hora das refeições, me rendi à praticidade. Coloco o DVD, prendo os meninos nas cadeiras e eles comem. Às vezes, nem vêem o que coloco nas suas bocas, mas pelo menos comem. Estou errada? Pelos teóricos, com certeza, rs...

Chegar ao restaurante era um parto. Dudu teimava e Guilherme choramingava o tempo todo. Entrar no carro, prender os meninos, ligar o ar condicionado era meu maior alívio.
Em resumo, no restaurante eles não comiam nada vezes nada e eu ainda me aborrecia. Pedíamos a comida, mas esperarem quietos, sentados, não estava nos planos dos meninos. Fazíamos uma ginástica danada para que eles esperassem a comida com um mínimo de civilidade. Difícil! Enfim, a comida chegava. Primeiro os meninos, enquanto eu dava comida ao Guilherme, a babá dava ao Dudu e o Rubens tentava comer para o posterior revezamento. Contudo, Dudu não queria comer, ele pedia batata frita, guaraná, balinha, qualquer coisa. Se insistíssemos, o menino retirava com a mão a comida que colocávamos em sua boca, fazendo a maior melequeira. O Guilherme, que poderia ser o quietinho da história, começou a choramingar e provocar vômito enfiando os dedos na garganta. O bebê queria caminhar pelo restaurante. A essa altura eu já estava bem irritada e prestes a abraçar... Tentamos que os meninos comessem pelo menos um pouco, mas sem sucesso. Dudu choramingava de um lado e Guilherme do outro alcançando tudo na mesa e atirando ao chão. Desisti de dar comida ao Dudu e enchi seu copo de guaraná enquanto o Guilherme aumentava o volume do chororô. Abracei de vez... (Tem um ditado: se está no inferno, abraça logo o capeta...)

Joguei a água da mamadeira do Guilherme fora e a enchi de guaraná. – Toma e pára de chorar! Afe! Para completar, o Dudu tampou os ouvidos e começou a gritar fazendo algazarra. Adivinhem? O Guilherme acompanhou o irmão na gritaria. Que vergonha! Olhei para os lados e vi pessoas rindo achando graça e outras recriminando a cena. Pedi silêncio em vão. A essa altura, ainda sem almoçar, morrendo de fome, eu estava possessa e com vontade de colocar os dois na “Roda”. Disse ao meu marido: - Chega! Peguei meu prato e fui me servir. No caminho, pensei como era desesperador ser mãe, que minha mãe tinha razão, que eu havia me tornado a minha mãe! Agora eu entendia seu constante mal-humor, será que era por isso? Coloquei minha comida com algum pesar pensando na situação, aí, me dei conta que não havia terminado. Olhei para a mesa com os dois “monstrinhos” e pensei em procurar uma mesa vazia para almoçar. Será que ficaria feio eu me sentar em outra mesa bem longe deles? É, seria imperdoável. Então tá, voltei para o meu lugar e engoli minha comida o mais rápido possível já com raiva do meu marido e da babá. Eu só queria voltar para a pousada. Contando até que parece engraçado...isso é por que não foi com vcs...rs...
No último dia, na hora de retornarmos para casa, depois de chegarmos do último almoço no restaurante, falei para os meninos: - Parem de perturbar! Eu só desejo a vcs dois que tenham dois filhos iguais a vocês para verem o que é bom! Fiquei insana por tanta confusão. Concluí que ainda não sou capaz de sobreviver a uma viagem de duas semanas com os meninos mesmo levando a babá. Difícil demais...

Conversando com meu colega de trabalho, ele me tranqüilizou que seus meninos também não comem quando estão fora de casa e isso era normal. Que com três anos, os meninos ficam mais calmos e dá para aproveitar melhor os passeios. Fiquei mais tranqüila ouvindo isso. Vivendo, sofrendo e aprendendo.

Beijos a todas.



Às 13:04

1 Aqui também pode!

1 Comentários:

amiga eu chorei de rir do desespero da baba ter medo do seu marido imagino ele bravo pra ela ter medo rsrsrs a aventura de passear com duas criancas pq e terrivel a nao ser que feche os olhos e finja que nada ta acontecendo e olha a vontade de comer em outra mesa e grande juro que penso o mesmo quando saimos so com um filho agora imagino 2 aff passe no meu cantinho tem uma carta do bb pra mae e muito linda bjocas e vamos a futura empregada rsrsrs

By Blogger selma, at 26 de novembro de 2007 08:49  

Post a Comment